Crônica: Declaração de amor ao São Bento

11/12/2016

Alexandre Reis*

 

Está na alma, no coração. Menos pela frieza, mais pela emoção. Raiz antiga, vem de tradição. Nunca morre, jamais será em vão.

 

Paixão. Sentimento que dispensa qualquer suspiro de racionalidade em meio a tanta loucura, tanto conflito psicodélico que um corpo untado de vermelho, branco e São Bento é capaz de suportar. Se o futebol for mesmo a coisa mais importante dentre as menos importantes, tudo que não se traduza em amor alvirrubro torna-se uma imensidão incontável de coisa alguma.

 

A única certeza que tenho nessa vida, além da morte, é que nasci para ser São Bento. Há um cordão umbilical divino, indestrutível, que não me separa desse amor, fonte eterna de felicidade de um filho que o estádio Maria Pena adotou em novembro de 1994 e, desde então, o educa a cada jogo. Com você, São Bento Esporte Clube, aprendi a amar o futebol como muitos. A vivê-lo como poucos. E a senti-lo como ninguém.

 

Você é meu médico pessoal, meu cardiologista, psicólogo e companheiro salvador. Sabe das minhas fraquezas, das minhas dores. Cuida do meu corpo, da minha mente, do meu bem estar. Entende, estuda e acalma meu coração que teima em palpitar e enfartar cada vez que onze jogadores de vermelho e branco cruzam as linhas do gramado que verdeia a Vila. O sangue avermelhado do seu uniforme, São Bento, pulsa e borbulha, ferve e entorna há 22 anos num corpo totalmente entregue a você.

 

Pelé, realmente, teria nascido bola se não fosse Edson. Se não fosse Alexandre, eu queria ser o alambrado do Maria Pena. Entre o time e a torcida, não poderia viver melhor esse amor insano. Na busca pelo gol alvirrubro, meu eu seria, fora do campo, o desejo incontrolável que quem o espera e, dentro da cancha, o incontrolável desejo de quem tenta marcá-lo. Não sei só torcer. Nem só jogar. Nessa busca pela identidade vermelha e branca, preciso, necessito e quero ser vários Alexandres em um só. Do contrário, torno-me um insignificante nada.

 

Obrigado, São Bento. Apenas obrigado. Por me fazer crer que, ao lado de você, sou tudo.

 

Opinião por:

Alexandre Reis é estudante de Jornalismo, natural de Itapecerica e atual presidente do São Bento Esporte Clube.


VOLTAR